Assine agora| Versão impressa
Publicado em 03/10/2018 às 10:41h - Atualizado em 03/10/2018 às 10:41h Por: Redação-Maringa

Brasil fecha mais empresas do que abre, diz IBGE


Pesquisa mostra que, em 2016, 648,5 mil empresas foram abertas, enquanto 719,6 mil foram fechadas no país
Site

Por três anos seguidos o Brasil registrou saldo negativo de empresas formais – mais empresas foram fechadas que abertas no país. É o que aponta um levantamento divulgado nesta quarta-feira (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Desde 2014 o número de fechamentos tem superado o de aberturas. O saldo negativo de 2016 foi mais intenso que no ano anterior, mas menos intenso que em 2014, ano em que o país registrou recorde na saída de empresas.

Segundo o IBGE, em 2016 o segmento de eletricidade e gás foi o que registrou a maior taxa de saída de empresas do mercado (26,3%), seguido pelo de construção (21,1%), informação e comunicação (19,6%) e outras atividades de serviços (19,3%).

Já a entrada de empresas teve maiores taxas observadas nos segmentos de atividades financeiras, seguros e serviços relacionados (20,2%), atividades imobiliárias (19,5%) e atividades profissionais, científicas e técnicas (19,4%).

Sobrevivência no mercado

O levantamento apontou que das 4,5 milhões de empresas ativas em 2016, 3,8 milhões (85,5%) eram sobreviventes, ou seja, já tinham mais de um ano de existência.

Dentre as 648,5 mil que deram entrada naquele ano (14,5% do total de empresas ativas), 463,7 mil (71,5%) haviam acabado de ser criadas, enquanto 184,7 mil (28,5%) foram reativadas.

A idade média das empresas sobreviventes em 2016 era de 11,2 anos. Todavia, o estudo mostrou que dentre as empresas sobreviventes naquele ano, apenas 38% tinham 5 anos de existência.

Ao analisar as empresas que nasceram cinco anos antes do levantamento, ou seja, as 660,9 mil que deram entrada em 2011, o IBGE constatou que:

75,2% sobreviveram até 2012

64,5% sobreviveram até 2013

52,5% sobreviveram até 2014

45,4% sobreviveram até 2015

38% sobreviveram até 2016

Ou seja, o levantamento mostrou que uma em cada quatro empresas criadas em 2011 não sobreviveram após o primeiro ano.

O IBGE ressaltou que as mais altas taxas de sobrevivência, em todo o período de 2012 a 2016, foram de empresas ligadas às atividades de saúde humana e serviços sociais e atividades imobiliárias. Já a taxa de sobrevivência mais baixa foi das empresas ligadas ao comércio e à reparação de veículos automotores e motocicletas.






Ver em PDF


Endereço
Rua Martin Afonso, 1587
Jd. Novo Horizonte - Sede Própria
WhatsApp
(44)99115.2018

E-mail
joelcardoso@globo.com

Telefone
(44) 3026-8585
Eleições 2018 - Você já decidiu seu voto para presidente?




Copyright© - Portal Glup
Central de Atendimento | Anuncie no Glup
JC Mantovan